27 de abril de 2012

JORNALISMO DE ENCOMENDA. Sem que se vislumbrasse motivo para tanto, a RTP passou, durante vários dias, uma série de reportagens sobre vinhos chilenos e argentinos(*). A coisa soou-me estranha desde o início, mas acabei por atribuir a estranheza ao facto de lhe ter prestado escassa atenção. Pouco depois, lendo o Público, que também concedeu largo espaço ao assunto, percebi a razão de tanta notícia. Os jornalistas viajaram a convite da Sogrape, diz-se na reportagem (parece-me que o Público é o único que assume estas coisas), empresa que por lá faz vinho, e que naturalmente é generosa com quem lhos promove. Porque quem manda é quem tem o livro de cheques, a Sogrape é referida variadíssimas vezes nas peças da RTP, sempre pelas melhores razões, se outras razões não houvesse por causa do tal livro de cheques, e porque não se deve cuspir na mão de quem nos dá de comer. Perante isto, o que achará a veneranda Entidade Reguladora para a Comunicação Social? Infelizmente, ninguém sabe se está, sequer, ao corrente do assunto, muito menos se o assunto lhe interessa. Já a Sogrape está de parabéns. Não propriamente pela excelência dos vinhos que produz (pelo menos os vinhos que eu conheço), mas porque dificilmente os publicitaria de modo tão barato e eficaz.
(*) Provavelmente a SIC e a TVI fizeram o mesmo, mas não vejo a SIC e a TVI.

24 de abril de 2012

A BRIGADA DO REUMÁTICO. A Associação 25 de Abril fez saber que não porá os pés na sessão da Assembleia da República destinada a assinalar a queda do antigo regime. Mário Soares e Manuel Alegre também já disseram que não vão, e à hora a que escrevo o ex-presidente Sampaio não sabia se ia. A associação justificou a recusa alegando que «o actual poder político deixou de reflectir o regime democrático», e que está em causa a liberdade e a democracia. Mário Soares justificou a ausência por solidariedade com os militares que fizeram a revolução. Manuel Alegre mandou dizer que «uma celebração do 25 de Abril sem aqueles que o fizeram não tem o mesmo significado». E o dr. Sampaio alegou «um compromisso internacional» inadiável, curiosamente por confirmar dois dias antes de se realizar. Estranhamente, o comandante Otelo ainda não veio anunciar um golpe militar para derrubar o Governo e o Presidente — e, de caminho, repor os «valores de Abril», seja lá isso o que seja. Porque o problema dos sujeitos é não gostarem de quem manda, e vai daí meteram-se a fazer estas tristes figuras. A democracia é uma coisa muito bonita, mas se forem os «nossos» a mandar. Se forem os «outros», é uma chatice. Uma chatice que tudo justifica, incluindo comportamentos patéticos e anti-democráticos.

23 de abril de 2012

AGARREM-ME SENÃO VOU-ME EMBORA. Miguel Sousa Tavares terá dito, na Bienal de Brasília, que só ainda não se mudou para o Brasil porque sente um dever «quase patriótico» de não abandonar Portugal num momento tão difícil. Não foi a primeira vez que o Miguel se zangou com a Pátria e pensou ir-se embora, como aqui se deu conta, e também não foi o único que fez — ou fará — uma coisa e outra. Também José Saramago emigrou para as Canárias após várias ameaças, como estarão lembrados. Por estar farto de ser maltratado no seu próprio país, disse então, e por causa de um livro medíocre que um governante igualmente medíocre impediu que concorresse a um prémio irrelevante. Estranhamente, a Pátria sobreviveu sem Saramago. Por que não haveria de sobreviver sem o Miguel?

19 de abril de 2012

ABORTO ORTOGRÁFICO. «(...) mais de duas décadas após a sua assinatura, o [Acordo Ortográfico] "unificador" da língua portuguesa consegue a proeza de dividir de facto e de jure os países de expressão oficial portuguesa, consagrando "a desagregação ortográfica da língua portuguesa" e acentuando "os factores de desagregação da unidade essencial da língua portuguesa".» (...) «O facto de o AO não concitar qualquer consenso nem contribuir para unificar seja o que for, é razão suficiente para, no mínimo, se suspender a sua aplicação e fazer respeitar a Constituição (que protege explicitamente a qualidade do ensino e o uso da língua nacional) e a Lei de Bases do Património Cultural (pela qual a língua, "fundamento da soberania nacional, é um elemento essencial do património cultural português").» António Emiliano, Público de hoje
A ANEDOTA DA SEMANA. PCP propõe redução do tempo de trabalho para 35 horas
E POR QUE DEMORARAM TANTO TEMPO? Federação [Portuguesa de Futebol] abre processo de averiguações [sobre caso Cardinal]

17 de abril de 2012

ANEDOTAS PERIGOSAS. A ser verdade o que vem nos jornais, o episódio que envolve Paulo Pereira Cristóvão e um árbitro de futebol roça o inacreditável. Então o vice-presidente do Sporting não sabia que os bancos têm videovigilância? Achará normal fornecer às autoridades uma carta que diz ter recebido onde alguém denuncia um esquema de corrupção praticado nesse mesmo dia? Como foi possível um sujeito destes ter sido inspector da Judiciária durante anos, mesmo depois de lhe detectarem comportamentos impróprios? Sim, porque o sujeito, além das tropelias que os jornais dizem ter cometido enquanto inspector, é de uma incompetência assustadora, e não fosse o caso de ser grave a natureza do processo em que é arguido seria anedótico. Claro que não se pode julgar toda a Judiciária por um caso destes, mas a verdade é que são cada vez mais os inspectores — ou ex-inspectores — acusados de comportamentos inadmissíveis a um agente da autoridade. Mesmo que sejam excepções, um desejo mais que uma evidência, convenhamos que da Judiciária se exige melhor.

13 de abril de 2012

SER E PARECER. Terá razão o bastonário dos advogados quando diz que o elevado número de chumbos nos exames de acesso à profissão (mais de metade dos candidatos reprovou e as notas dos que passaram não terão sido famosas) resulta da falta de qualidade dos cursos de direito actualmente existentes, mas a dúvida persiste: a ideia de chumbar os candidatos alegadamente mal preparados será mesmo vedar a entrada na profissão a quem não tem competência para tal, ou será proteger quem lá está? A desconfiança não se aplica, apenas, à Ordem dos Advogados, mas a todas as associações congéneres — dos médicos aos engenheiros, dos enfermeiros aos arquitectos, dos psicólogos aos farmacêuticos, dos biólogos aos dentistas, dos notários aos engenheiros técnicos. Não digo que não são necessárias organizações desta natureza, e certamente trarão benefícios aos cidadãos. Mas a verdade é que nos habituámos a vê-las defender posições que, tirando os associados, não se vê quem mais possam beneficiar.
OBSCENIDADES, OU TALVEZ NÃO. Tal como escrever com humor não está ao alcance de qualquer um, escrever ordinarices geralmente não consideradas como tal (ou que apenas o são na aparência) ainda é mais difícil. Isto a propósito de alguns livros recém publicados, especialmente Puta Que os Pariu!, de João Pedro George, Pornopopeia, de Reinaldo Moraes, e de um misterioso autor português que dá pelo pseudónimo de O Meu Pipi. Do primeiro, nomeadamente do título, pouco terá a dizer quem já conhece Luiz Pacheco, do segundo tomei conhecimento através de um texto notável de Alexandra Lucas Coelho (provavelmente o mais ousado jamais publicado na imprensa portuguesa dita de referência), e do último (O Meu Pipi: Sermões), cujo autor li com prazer nos tempos do blogue, li uma entrevista em que o jornalista, esforçando-se por ser engraçado e pôr-se ao nível do entrevistado, acabou, esse sim, por cair na ordinarice. Pela simples razão que o humor é só para alguns, e quando mete as tais ordinarices que não são ordinarices, só mesmo para uma minoria. Perguntar-me-ão onde está a fronteira entre a ordinarice pura e a ordinarice que só é na aparência. A resposta parece-me só uma: cada um define a sua. Onde uns verão ordinarice, outros verão outra coisa. Onde uns verão vulgaridade, outros verão subtileza. Como estamos num terreno especialmente escorregadio, onde o subjectivismo dita as duas leis, torna-se difícil dizer o que é ordinário e o que não é. Mas até o subjectivismo assenta em alguns dados objectivos, e os dados objectivos sobre os livros em causa indicam que não são ordinarices. Antes pelo contrário.

10 de abril de 2012

CRIMINALIZAR OS POLÍTICOS. A ideia de criminalizar os governantes (ou ex-governantes), que terá começado na Islândia e ameaça alastrar a outras latitudes, é óptima à primeira vista, mas péssima à segunda. Como toda a gente que acompanha a política com algum interesse, aguardo com expectativa o desenlace do caso islandês, que desde o início me pareceu condenado ao fracasso. Suspeita-se que governantes (ou ex-governantes) cometeram crimes no exercício das suas funções? Os tribunais comuns chegam e sobejam para os julgar. Por razões que me parecem óbvias, os julgamentos políticos serão inconsequentes nos melhores casos, perigosos em todos os outros. Isto em países onde a justiça funciona como deve ser. Imagine-se, agora, um país como o nosso, onde a justiça é o que se sabe. Os mais atentos terão notado que há um mês defendi como boa a ideia de julgar governantes (ou ex-governantes) pelos seus actos. É o que dá fazer juízos precipitados.

6 de abril de 2012

VALHA-NOS DEUS. «Dou graças por não ter sido eleito Presidente», escreveu Manuel Alegre no prefácio de um livro agora publicado. Porque lhe seria «muito penoso» suportar «tamanha humilhação» que seria lidar com os funcionários da troika, diz o bardo. Temos, portanto, que o ex-candidato a Presidente só estará disponível para o combate quando a maré estiver de feição. Quando houver tempestade, não contem com ele.
MATAR O DOENTE COM A CURA. Perdoem-me a presunção, mas até eu, que de economia sei pouco mais que zero, previ que a receita do Governo e da troika seria um fracasso. O FMI diz que se enganou na mezinha? Esperava que a recessão fosse menor? Que as condições externas fossem mais favoráveis? Que as receitas fiscais atingissem não sei que previsões? Que mais austeridade não trará benefícios? Que o desemprego e as despesas sociais continuam a aumentar? Extraordinário! Como é possível uma instituição recheada de luminárias em tudo e mais alguma coisa cometer erros tão grosseiros? Não seria previsível, por exemplo, que o famigerado plano de salvação da pátria iria gerar mais desemprego, logo menos receita e mais despesa para o Estado? Não seria previsível que a economia estagnasse e que a recessão aumentasse? Decididamente que estamos entregues à bicharada.

5 de abril de 2012

O ESTADO É QUE VAI PAGAR A MULTA. Foi nestes termos, segundo os jornais, que Mário Soares se terá dirigido ao GNR que interceptou a viatura em que seguia por circular em excesso de velocidade. Quando se esperaria que o ex-tudo da política portuguesa se comportasse de forma exemplar, o ex-presidente da República portou-se como o pior dos cidadãos. É costume dizer-se que os homens se vêem nos pequenos gestos, não é?
O PEDITÓRIO DO COSTUME. Günther Grass, escritor alemão há uns anos premiado com o Nobel, escreveu num poema que Israel «pode dizimar o povo iraniano». Porque Israel, diz ele, é uma potência nuclear, por si só uma ameaça à paz mundial. Esqueceu-se, contudo, de um pequeno detalhe: não consta que Israel pretenda «dizimar o povo iraniano», ao contrário do Irão, cujo actual presidente afirmou, preto no branco, pretender varrer Israel do mapa. Definitivamente que a passagem de Grass pelas SS de Hitler lhe deixou mazelas irremediáveis.
PRÉMIO DESCOBERTA DA PÓLVORA. «As decisões que influenciam o meu País não dependem do trabalho dos deputados».
NO ALVO. Clubismo só encapotado

3 de abril de 2012

JORNALISMO NA PASSERELLE. Definitivamente que o jornalismo já viu melhores dias, e as mudanças introduzidas nos últimos anos geralmente tornaram-no pior. Nada contra a jornalista Ana Lourenço desfilar num evento de moda como qualquer outro manequim, e não me parece existir qualquer impedimento legal que desaconselhe tal prática. Mas não será evidente que a exibição na passerelle descredibiliza a jornalista e o jornalismo? O jornalismo e os jornalistas já estão fragilizados que chegue, por culpas próprias e alheias. Convinha, portanto, não misturar o que não deve ser misturável, e não esbanjar a credibilidade que resta.